ANO XVI – NOVEMBRO –DEZEMBRO 2019 – JANEIRO 2020 . EC 80

pdf

NOTÍCIAS DO AGRONEGÓCIO!
Joaquim Teófilo Sobrinho, informa que O ESPAÇO CITRICOLA, a partir desta edição, divulgará noticias de outras culturas que integram o agronegócio, além dos citros.A produção de laranja de São Paulo e Minas Gerais foi reestimada pelo Fundecitrus e será de 384,87milhões de caixas. A Flórida mantém estimativa de 2019 -2020 para 74 milhões de caixas. A safra de grãos de 2019 foi recorde, chegando a 242 milhões de toneladas.A colheita de grãos de 2020 poderá chegar a 246 milhões de toneladas, embora seja cedo para esta conclusão devido ao clima. Segundo a CONAB, no seu segundo levantamento, neste ano de 2019, deverão ser colhidas 50,92 milhões de sacas de café, sendo 36,98 do Arábica e outras 13,97 do Conilon. O Arabica produzirá 22,1% a menos que em 2018 e o Conilon apenas, 1,7%.

 

CONTROLE DO PSILÍDEO TROCA MANEJO DA OUTRAS PRAGAS POR PREVENÇÃO E AFETA A PROFISSÃO DO PRAGUEIRO
O prof. Santin Gravena, relata na sua coluna a sua preocupação por que a funçao de Inspetor de Pragas dos Citros atualmente está sob tremenda pressão da tolerância zero ao psilideo vetor do greening(HLB). Agora a sua função passou a ser um mero conferidor do pomar após as aplicações de calendário dos inseticidas.É que os citriccultores têm a tendência de numa só operação prevenir o surgimento das outras pragas , mesmo que elas não ocorressem.

 

PROTEGER OS MANANCIAIS E CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL É MUITO IMPORTANTE.
Na coluna de irrigação, o Prof. Dirceu Brasil Vieira informa que proteger os mananciais e captação de água pluvial é muito importante. Muito se fala e é mostrado pela imprensa sobre o Meio Ambiente , especialmente sobre incêndios em áreas florestais e inundação nas cidades. São desastres ambientais , a grande maioria gerados pela ação direta ou indireta do próprio homem. Fantástico que o próprio homem usando tecnologia de ponta consegue produção agrícola em desertos, geração de energia limpa, construções ecológicas, mas ainda convive com desastre gerado pelas queimadas como já observamos no Brasil e agora na Austrália. Parece catastróficas inundações nas nossas metrópoles, será que os preceitos de zelo pelo Meio Ambiente são esquecidos?

 

INFELICIDADE GERAL
Roberto Rodrigues cita na sua coluna que há uma estranha e perigosa insatisfação geral no ar pelo mundo afora. Movimentos distintos pipocam em todos os cantos sob a forma de greves, manifestações nas ruas com violência eventual resultando em mortos e feridos; confrontos, agressões e destruição acontecem aqui e ali. Incerteza, insegurança, injustiça, frustração com governos, judiciários, parlamentos e líderes tíbios da sociedade civil, desemprego, corrupção, concentração da renda, fome, desinformação, guerras, entre uma centena de outros fatores estão por trás dessa, digamos, infelicidade geral, que acontece em todos os níveis. Desde bombardeios entre países até desentendimentos no interior das famílias, passando por amizades e lares destruídos, instituições conflagradas, academia perplexa e confusão midiática. E tudo mergulhado em debates muitas vezes superficiais em milhares de eventos em que se chocam ideologias contrárias, ofensas são atiradas com radicalismo, e diferenças de interpretação dos fatos ficam evidentes, causando percepções enganosas e induzindo propostas inconciliáveis que realimentam as idiossincrasias.

 

CITROS E DEFENSIVOS AGRICOLAS: DEMANDA E DISPÊNDIO RELATIVOS NO PERIODO DE 2012 A 2016.
Lourival Carmo Mônaco e colaboradores citam que o presente artigo tem como principal objetivo estudar a relação entre a utilização de defensivos agrícolas em citros no período de 2012 a 2016.Para atingir este objetivo são calculados as demandas e dispêndios relativos de tipos de defensivos em relação à área plantada (em hectares) e quantidade produzida (toneladas de frutas) para os citros. No presente caso, os citros considerados são as culturas da laranja, limão e tangerina.A demanda relativa é entendida como a razão entre a quantidade de defensivos agrícolas empregada em uma cultura e a área destinada para a mesma ou a quantidade produzida. A demanda relativa é apresentada em quilogramas de ingrediente ativo por hectare (kg IA/ha) e gramas de ingrediente ativo por quilograma de produto agrícola (g IA/kg produto).

 

A SAFRA E O MERCADO DE SUCO DE LARANJA EM 2019
Flavio Viegas,. Presidente da Associtrus, relata que no relatório anual publicado em 16/12/2019 pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que é, sem dúvida alguma, uma das melhores fontes de informação sobre o setor de citros e da produção de suco de laranja no Brasil, verificamos que as reestimativas da produção de laranjas e do processamento foram reduzidas em 5%; como consequência, o crescimento da oferta que era de 36% reduziu-se para 31%. Por outro lado, as exportações de suco de laranja equivalente a 65°brix têm um crescimento estimado para a safra 2019/20, que se estende até o final de junho de 2020, em 29%. Desta forma, os estoques no final da safra estão estimados em 167 mil t, um crescimento de apenas 4,3% em relação à safra anterior, apesar do grande crescimento da oferta.

 

CAFÉ: RIQUEZA, EMPOBRECIMENTO E DESPERDICIOS!
O Engenheiro Agrônomo, Hélio Casale, Consultor muito experiente em café, relata que pelos dados recentes do 2º Levantamento da CONAB, neste ano de 2019, deverão ser colhidas cerca de 50,92 milhões de sacas do café, sendo 36,98 do Arábica e outras 13,97 do Conilon. Arábica produzindo 22,1 % a menos que em 2018 e o Conilon apenas 1,7 %. Falando da riqueza : em 2018 foram produzidas 61,65 milhões de sacas, das quais foram exportadas 31,52, sendo 29,04 do Arábica e 2,48 do Conilon. Faturamento de 5,25 bilhões de dólares. Exportação para nada menos que 123 Países. Pobreza cá, riqueza lá.

Para baixa a versão completa, por favor, clique aqui!